Uma imagem de Sophia

Uma imagem de Sophia

29 Outubro 2019

Escrito por NUNO JÚDICE

Ó noite, flor acesa, quem te colhe?

Sophia

Cantaste a luz e o mar, o sal
das águas e o sal da vida, o terror
do mais fundo e a exaltação
do mais alto. Mas nessa janela
de onde vias a Grécia e o infinito,
não quando olhavas para lá
do vidro, mas quando guiavas
os versos na página, num exercício
de timoneira da poesia, a música
vinha ao teu encontro. E
afastavas de ti o abutre e a cobra,
ouvindo a lira do vento e o transparente
rumor dos cedros. Assim colheste
a flor em chama da noite
e acendeste, com o seu fogo,
a pura essência do mundo.

Clara Não
Conteúdos Relacionados
CADAVRE-EXQUIS: Homenagem à poesia do acaso VARIAÇÕES 29 Outubro 2019 Escrito por ALUNOS DE ESTÉTICA
“De olhos bem abertos”: breve evocação de Sophia de Mello Breyner Andresen GRANDE ENTREVISTA 29
Sophia: O que há num nome EDITORIAL 29 Outubro 2019 Escrito por MARIA LUÍSA MALATO
Dignidade na palavra e na sabedoria LEITURAS 29 Outubro 2019 Escrito por GUILHERME D'OLIVEIRA MARTINS
Sophia e a dança LEITURAS 29 Outubro 2019 Escrito por MARIA JOSÉ MAGALHÃES DA SILVA

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *