ÍNDICE Nº1

TEMAS
A Língua Portuguesa como objeto da Filosofia

Manuel Cândido Pimentel
800 anos de Língua Portuguesa: estes e os próximos

Francisco Topa
A voz do mar ou da necessidade de “errar a língua ao dente”
Isabel Cristina Mateus
De pensamentos e falas na Língua Portuguesa
Ricardo Vélez Rodríguez
O cinema: memória de uma língua?
Elsa Cerqueira
Sociedade civil e CPLP: contributos para a promoção e divulgação da Língua Portuguesa
Maria José Maya

TESTEMUNHO
Discorrer partilhado
Maria Celeste Natário com Eduardo Lourenço

ENTREVISTA
Maria Teresa Horta, menina
Maria Luísa Malato entrevista Maria Teresa Horta

EXEMPLUM
Manuel António da Mota, “um homem de carácter”
Rui Pedroto

VARIAÇÕES
Sobre D. Duarte e o seu Leal Conselheiro
Fernanda Moura Pinto
Vieira por Pedrosa: os “Ós” de uma mesma língua
Maria Lúcia Dal Farra
Machado de Assis e os portugueses

Mauro Rosso
Clarice Lispector e a aprendizagem da morte como afirmação da vida
Cicero Cunha Bezerra
A lusofonia e a universalidade nas cartas de Agostinho da Silva
Constança Marcondes Cesar
José de Guimarães por mares revisitados
Egídia Souto
Uma discussão metafísica em boa prosa camiliana
Jorge Teixeira da Cunha
A Língua: pátria ou expatriamento?
Paulo Borges

LEITURAS
Do que recentemente se publicou sobre música em Portugal
Edward Luiz Ayres d’Abreu
Espaço de resistência: uma arquitectura de crise
Telmo Castro
A História da Igreja em Timor-Leste: 450 anos de evangelização (1562-2012)
Maria Luísa Malato
Obras Completas de Leonardo Coimbra, VIII Volume
Catarina Milhazes
L’exil et le royaume: d’Albert Camus à Vergílio Ferreira
Manuel Cândido Pimentel
Palavra, escuta e silêncio: Filosofia, Teologia e Literatura
Manuel Lázaro Pulido

Conteúdos Relacionados
PONTES DE VISTA Revista de Filosofia e Literatura N.º 1, 2015 ISSN 2183-5179 [800 Anos
Paulo Borges [Uma língua, mais do que um conjunto de convenções, é decerto a expressão
Edward Luiz Ayres d’Abreu [Longe do aparato de parangonas descartáveis, e apesar das dificuldades com
Maria Celeste Natário [Foi um encontro com Eduardo Lourenço na Fundação Calouste Gulbenkian, num almoço
Telmo Castro [O Arquitecto é um resistente que tem de lutar contra/com o poder instituído.